sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

UM ITALIANO EM BANANEIRAS - FRANCISCO ANTONIO MARTINS

Notícia curiosa  publicada no jornal O PUBLICADOR de 30/01/1864 informa que:
" Na povoação de Araruna o italiano FRANCISCO ANTONIO MARTINS foi roubado na quantia de 4 contos de réis e para este fim arrombaram-lhe a casa. Recaindo suspeitas sobre Herculano Ferreira Lima, parente do subdelegado em exercício Antonio Ferreira da Costa Lima que imediatamente prendeu o seu parente e passou o exercício da subdelegacia ao seu suplente."

Consta que este FRANCISCO ANTONIO MARTINS era filho do italiano Martins Verindeiro (o nome parece que foi "aportuguesado"). Contudo, nenhuma confirmação documental encontrei até agora.
Mas, a existência de um italiano em Araruna antes de 1870 foi uma surpresa, pois a imigração italiana para as cidades do brejo paraibano e regiões vizinhas só ocorreu depois desta data. 
A opção dos italianos pelo Brejo Paraibano foi justamente pelo clima ameno favorável à agricultura.
Ainda hoje existem descendentes de italianos naquela região que desconhecem tal fato, uma vez que muitos de seus ancestrais simplesmente se "adaptaram" aos costumes da época, como por exemplo "aportuguesando" os prenomes  e sobrenomes.
Como parece ser o caso de MARTINS VERINDEIRO.
O sobrenome MARTINS é de origem portuguesa, mas também encontrado na Espanha como MARTINEZ. 
Na Itália, encontramos MARTINO, mas é muito difícil dizer como e quando a grafia original foi mudada no caso de estrangeiros.
Para os estudiosos de genealogia fica a dica.

2 comentários:

Ana Manoel disse...

Ola Isabel, eu gostaria de maiores informacoes sobre os italianos em Bananeiras, voce pode me ajudar?Obrigada,Ana

isabel pinto disse...

Ana, achei a notícia por acaso quando pesquisava em jornais antigos. Para mim foi uma surpresa , pois nas minhas pesquisas referentes ao século XIX só achei portugueses.
Assim, infelizmente,não tenho muitas informações a respeito de outros imigrantes italianos. Sei que a família Toscano (Toscano de Brito) é uma das mais antigas na região do Brejo, pois devem ter chegado no final do século XVIII.